Categorias
Animes e Mangás

Violet Evergarden – A beleza visual da KyoAni

O anime de Violet Evergarden é espetacular, visualmente. Mas tem uns problemas quanto ao roteiro…

Depois 13 episódios, tenho a sensação de que Violet Evergarden chegou, mostrou tudo o que tinha para dar nos primeiros 8 episódios e ficou sem rumo logo em sua reta final. O anime da Netflix, que foi o primeiro simulcast da plataforma neste tipo de mídia, tem uma arte primordial, mas peca em roteiro.

Principais características

Violet pode ter falhas cruciais, mas nenhuma atrapalha a totalidade da obra. A começar pela arte. Aqui temos um ótimo exemplo de como a Kyoto Animation pode produzir um anime bem bonito visualmente. Posso dizer que este foi o anime mais bem trabalhado do estúdio em tempos, e o mais bonito em questão de cenários desde Hyouka (saudades).

Desde o ótimo trabalho em animar a água (que pode não parecer, mas é um trabalho do cão), ao modo como mexem-se as árvores ao vento. Tudo em Violet parece bem observado e aperfeiçoado, para evitar não só algum erro crasso no modo como se comportam os objetos, como fazer transparecer o dinheiro gasto – e bem gasto – nesta obra.

Apesar de não ser muito a minha praia falar desse tipo de característica, até porque geralmente eu acabo não prestando atenção devida a isso, mas a trilha sonora de Violet é outro ponto-chave do anime. Sem ele, tudo seria bem chato, mas as trilhas sonoras sofregas, que acompanham os momentos mais tristes da trama, cumprem o plano de fazer o espectador chorar com as histórias contatas.

A Violet – e o mundo que a cerca

A cada episódios, tivemos Violet descobrindo o que era sentimentos, a aprendizagem dela em entender como eles funcionam e como eles afetam os outros – e até si mesma, mesmo que ela não tenha ciência disso no início. A história de ser amada e não saber o que é amor, ponto central da trama, foi muito bem trabalhada até o episódio 8. Apesar de ter-se uma aparente queda no ritmo da história, ela mantém-se acima da média até o seu final.

LEIA TAMBÉM

Foi interessante acompanhar a evolução da personagem principal entre ser considerada uma arma, um objeto de matar, até encontrar-se como pessoa, que tem sentimentos, que ama e que se alegra, que tem um objetivo de vida. O anime marca-se mais pela própria Violet Evergarden do que por qualquer outro ponto forte.

Considerações

Apesar de finalizada no Netflix, o anime teve mais um episódio lançado, no formato OVA, que se encaixa entre os episódios 4 e 5. Isso significa que, apesar de termos mais conteúdo sobre a história, não será algo que esteja sendo feito “apenas por vender”.

Mas fico um pouco preocupado com o filme, que virá em algum momento, tão cedo quanto a Kyoto Animation possa se recuperar do grande baque se sofreu, em Julho de 2019. Agora, se no futuro houver uma continuação do anime, poderá ser algo nada bom para uma história tão mais-ou-menos por si só. Infelizmente, não posso prever o futuro para saber o que nos aguarda mais a frente. Apenas me resta a opção de esperar para saber o que acontecerá em seguida.

Vale a pena?

Sim – e muito. O anime é bem desenhado, o que já pode agradar quem espera encontrar detalhes nos cenários, ou para quem se irrita com a qualidade que geralmente é empregada nos animes que vemos por temporadas a fio.

Por Henrique Picanço

Estudante de jornalismo, apaixonado pela cultura geek há muito tempo. Comecei a gostar ainda na infância, dos super-heróis animados pela manhã. Na adolescência, me voltei para os animes e mangás e, recentemente, comecei a me interessar realmente por Marvel, DC, Star Wars e companhia bela.